contact@aopi.org Friday - December 14,2018

País estima reduzir importação de bebidas até 19%


País estima reduzir importação de bebidas até 19%

O país está a produzir anualmente 4.480 milhões de litros de bebidas, quantidade que, de acordo com o presidente da Associação das Industrias de Angola, Manuel Victoriano Sumbula, abre a possibilidade para exportação. Cinco novas fábricas serão abertas nos próximos dois anos

A indústria de bebidas no país está a ser revitalizada no sentido de impulsionar a redução de importações, assim como ajudar no desenvolvimento da economia rumo a sua diversificação. O presidente da Associação das Indústrias de Bebidas de Angola (AIBA), Manuel Sumbula disse que o sector do qual faz parte atingiu um nível de capacidade de produção instalada muito grande, pois são quatro milhões e 840 mil litros por ano, o que o transforma num sector que a cada ano vai-se tornando mais forte.

Fonte: O País

“Reconheço que antes do surgimento da AIBA os industriais trabalhavam de forma individual. O nascimento desta associação trará mais união entre os profissionais da área, tornando este subsector cada vez mais forte, competitivo e capaz de satisfazer o mercado interno e externo”, sublinha.

Manuel Victoriano Sumbula refere que apesar do país ainda ter uma importação estimada em 506 milhões de litros anuais, com o que está definido em termos de quotas de importação e com a entrada de novos quatro fabricantes, será possível reduzir a importação a 19 por cento, percentagem esta que pode ser coberta com a produção nacional.

Trata-se das empresas Lowenda Brewery Company, Sodiba, Única e a Refriango que passa agora a produzir cerveja.

Na altura da proclamação da Associação Industrial de Bebidas de Angola foi possível saber que, em termos de produção, a actual capacidade instalada no mercado é de quatro milhões e 480 litros anuais, cifra que se prevê aumentar nos próximos anos para 400 milhões 950 mil litros anuais.

Foi possível saber também que capacidade instalada actual é de cerca de 70 por cento superior ao consumo total que se estima ter sido de dois milhões e 679 mil litros durante o ano de 2014, sendo que ainda no ano passado, o volume de importações representou cerca de 500 milhões de litros de diversas categorias de bebidas.

Em função dos níveis de produção e da capacidade, o presidente da AIBA reconhece ser importante a adesão a Zona de Livre Comércio da SADC, mas para que isso aconteça, sublinha, é preciso continuar dar continuidade aos programas que visam incentivar os produtores nacionais.

“Este incentivo é necessário na medida em quando chegar o momento de entramos na Zona Livre da SADC possamos estar em condições de competir em pé de igualdade com os maiores produtores da região”, lembra.

País tem Associação de Bebidas
Com vista a organizar e dinamizar o sector foi criada a Associação das Industrias de Bebidas de Angola (AIBA) que passa a congregar e a apoiar os produtores de bebida do país. O acto da proclamação aconteceu na semana passada, em Luanda.

Sobre o assunto, a ministra da Indústria, Bernarda Martins, encara a criação desta associação como uma plataforma que surge para fazer face aos desafios que o sector apresenta, pois é um acto de proximidade e de cooperação entre os industriais nacionais.

COMENTÁRIOS