contact@aopi.org Friday - December 14,2018

Movimento de mercadoria atinge 12 milhões de toneladas em Luanda


Movimento de mercadoria atinge 12 milhões de toneladas em Luanda

Entre as mercadorias movimentadas sobressaem os produtos da cesta básica, viaturas, máquinas e os materiais de construção civil. Desafio da empresa em 2015 passa por eliminar reservas nas contas.

O movimento de mercadoria realizado pelos cinco terminais com actividades no Porto de Luanda atingiu a marca de 12 milhões de toneladas, durante o ano de 2014, segundo revelou o presidente do seu conselho de administração, Francisco Venâncio.

De acordo com o responsável, que fez, esta semana, o balanço das actividades desenvolvidas ao longo do ano passado, os produtos da cesta básica, viaturas e os materiais de construção civil foram os mais movimentados pelos terminais do Porto de Luanda, com destaque para o terminal de carga geral. O programa de reconstrução nacional e o de reabilitação das infra- estruturas de todo o tipo foram, de facto, um mote para a necessidade de aumentar a importação de determinados tipos de produtos de materiais de construção, sobretudo aqueles que concorrem para a reabilitação das infra-estruturas básicas, disse o responsável, que acredita que o País pode reduzir o quadro de importações de algumas mercadorias nos próximos anos.

Francisco Venâncio disse também que o ano de 2014 teve impactos sobre um conjunto de iniciativas levadas a cabo pela instituição, com destaque para a homologação das contas da empresa referentes ao exercício de 2013, que, segundo o responsável, exigiu que os colaboradores dos mais variados departamentos daquela instituição se empenhassem.

Para o presente ano, a administração daquela empresa estatal acredita que o procedimento seja o mesmo. Isto é, que as contas sejam aprovadas e sem reservas, o que vai contar com novas acções da instituição visando a eliminação das reservas nas contas da empresa. Auguramos que, para o exercício de 2015, as nossas contas sejam igualmente aprovadas e sem reservas. As reservas das contas podem ser relevantes, já que decorrem de alguma insuficiência na organização e na elaboração dos relatórios e contas. Do conjunto de 12 reservas que tinham sido detectadas na análise feita em 2013, para o exercício de 2013, nós conseguimos reduzir para três, explicou Francisco Venâncio, precisando que já foram elencadas as reservas para facilitar a sua eliminação.

Porto de Luanda ganha distinção

O ano de 2014 foi também um ano em que a empresa portuária de Luanda foi galardoada com a distinção de melhor ao nível da Costa Ocidental de África, no mesmo ano em que foi indicado como terceiro porto com maior produtividade na região, conforme avançou o seu presidente. Assim, Francisco Venâncio sublinha que em 2015 o conselho de administração do Porto de Luanda dedicará particular atenção aos projectos estruturantes que não tiveram realização no passado 2014, como, por exemplo, o processo de renegociação dos contratos de concessão.

No que se refere à relação com os nossos parceiros, a partir deste mês de Janeiro, iniciaremos uma nova abordagem na relação com os nossos concessionários, pois há direitos e deveres de parte a parte que não podem continuar a ser adiados, sob pena de comprometermos o equilíbrio económico e financeiro das concessões, bem como a continuidade do serviço público, afirmou.

Mas só no segundo semestre deste novo ano é que os primeiros resultados das acções agendadas pelo conselho de administração vão ter efeito. Segundo o chairman do Porto de Luanda, as preocupações apresentadas pelos operadores, sobretudo no domínio da energia eléctrica e o acesso rodoviário, além dos problemas na dragagem, serão solucionadas no segundo trimestre.

Administração apela aos desafios económicos

Na sua mensagem de ano novo ao corpo de trabalhadores do porto de Luanda, Francisco Venâncio apelou à Comissão Sindical responsabilidade e solidariedade dos funcionários em 2015, a avaliar pelo quadro económico avançado e classificado pelo Presidente da República, José Eduardo dos Santos, como difícil e de gestão dos recursos económicos.

Isto não pressupõe que a empresa deixe de honrar as suas obrigações para com os seus trabalhadores. Haverá, sim, uma redefinição de projectos prioritários, disse o responsável, que acredita na continuidade dos projectos de apoios aos funcionários, como é o caso do programa de aquisição de um lote de 80 habitações para os trabalhadores.

Ainda assim, a administração portuária tem agendada a implementação de um novo enquadramento das carreiras profissionais, após a conclusão do trabalho da comissão de revisão daquela empresa.

Fonte: Expansão

COMENTÁRIOS